Poros e Cendais


 

Nesse espaço inexiste luz e fala,
o seu tempo é estático e indefinido,
seu formato é de nunca concebido
e um aroma de frio se lhe exala.
Nada fixa e tudo lhe resvala,
tem seu sim quando um não lhe tangencia,
não diz nada e de nada se anuncia,
traz em si tudo o quanto não tem nome,
regurgita esse nada e se consome,
só, então, feito nada, se inicia.
 
 
Antoniel Campos

 



Escrito por AC às 19h46
[   ]




 

Necessário se faz que se comece
de uma forma qualquer, desde que urgente,
e que finde também tão de repente
que um plural nem pergunte por seu S.
O que é, com o que é, é o que parece
(ninguém vai perceber), e Inês é morta.
Nada diga de nada. Nada importa.
E da porta, dispare: "Quem me visse
fazer arte com aquilo que eu não disse,
me dirá um inventor!". E feche a porta.
 
 
Antoniel Campos


Escrito por AC às 21h23
[   ]




 
Eu é quando nada resta,
quando tanto faz o rosto,
se nada escrito na testa,
se todo mês é agosto.
Sou quando sou meu oposto
e tudo em mim me contesta.
Só sou quando nada presta
e se só vale o suposto.
Eu é quando finda a festa,
e o beijo, se perde o gosto.
 
 
 
Antoniel Campos


Escrito por AC às 22h26
[   ]




 

Às vezes vejo as coisas meio tortas
(meio é eufemismo: tortas e meio),
que eu digo para mim: não são tão tortas,
bem sei. Bem, deve ser fruto do meio,
 
que faz das coisas retas, coisas tortas;
uma difração, talvez, do ar no meio
de duas coisas retas (a mim, tortas),
ou pelo fato de eu estar no meio
 
(e não numa ponta), vendo as coisas tortas,
podendo estar a vê-las meio a meio,
tipo assim: meio retas, meio tortas,
 
ou só tortas nas pontas ou no meio.
Enquanto não, é nas palavras tortas
que, pra dizer, as faço único meio.
 
 
 
Antoniel Campos


Escrito por AC às 01h54
[   ]




 
Ir daqui ao outro lado,
lá me vejo e nem estou.
Ando rápido parado
e a cada passo não vou.
 
Estando eu noutro lado,
olho pra trás: lá estou.
Aceno pra mim parado,
me diz meu outro: não vou.
 
E sem saber de qual lado
é o lado em que agora estou,
não sei quem sou se parado,
nem me sei mais se me vou.
 
 
Antoniel Campos


Escrito por AC às 10h44
[   ]


[ ver mensagens anteriores ]


 
Meu perfil
BRASIL, Nordeste, NATAL, Homem, de 36 a 45 anos, Arte e cultura, - poesia poesia poesia -antonielcampos@uol.com.br
Histórico
  01/06/2008 a 30/06/2008
  01/08/2007 a 31/08/2007
  01/04/2007 a 30/04/2007
  01/03/2007 a 31/03/2007
  01/02/2007 a 28/02/2007
  01/01/2007 a 31/01/2007
  01/12/2006 a 31/12/2006
  01/11/2006 a 30/11/2006
  01/10/2006 a 31/10/2006
  01/08/2006 a 31/08/2006
  01/05/2006 a 31/05/2006
  01/04/2006 a 30/04/2006
  01/03/2006 a 31/03/2006
  01/07/2005 a 31/07/2005
  01/06/2005 a 30/06/2005
  01/05/2005 a 31/05/2005
  01/04/2005 a 30/04/2005
  01/03/2005 a 31/03/2005
  01/02/2005 a 28/02/2005
  01/01/2005 a 31/01/2005
  01/12/2004 a 31/12/2004
  01/11/2004 a 30/11/2004
  01/10/2004 a 31/10/2004
  01/09/2004 a 30/09/2004
  01/03/2004 a 31/03/2004


Outros sites
  a arte de beth almeida
  a tríade (nálu nogueira)
  abrindo janelas (saramar)
  agrestino (manoel carlos)
  alicerces (helena monteiro)
  almanua
  as cartas de elise
  as musas esqueléticas
  baby lónia (mjm)
  confissões de um viajante (ilídio soares)
  eugenia in the meadow (silvia chueire)
  faca de fogo (mario cezar)
  la vie en blues (felipe k.)
  linha de cabotagem (helena monteiro)
  lendo e sonhando (marcia)
  loba
  mar da poesia (jeanete ruaro)
  meu porto (míriam monteiro)
  mudança de ventos (márcia maia)
  nocturno com gatos (soledade santos)
  noites em claro (benno)
  poesia em movimento (weder soares)
  poesia sim (lau siqueira)
  ponto gê (geórgia)
  pretensos colóquios (dora vilela)
  proseando com mariza (mariza lourenço)
  rasuras (ana peluso e mario cezar)
  retalhos e pensamentos (ariane)
  sou o que sinto (Valéria)
  tábua de marés (márcia maia)
  textura (valéria tarelho)
  umbigo do sonho (adelaide amorim)
  voando pelo céu da boca (dira vieira)
  zênite (adriana zapparoli)
  zumbi escutando blues (linaldo guedes)



O que é isto?