Poros e Cendais


CARBONÁRIO
 
 
 
Porque sei que sou contrário,
sigo contra a contramão,
desinvento o itinerário,
apago os passos e o chão.
Prefiro o incerto à razão,
meu tempo corre anti-horário
seguindo um só ideário:
fazer do todo, fração.
Completamente ordinário,
todo sim que digo é não.
 
 
Antoniel Campos


Escrito por AC às 11h05
[   ]




 
Não sei se sei quando sei,
nem sei se sei se sei quando;
não sei quando é quando sei,
nem sei quando o quando é quando.
Se não sei quando se é quando,
e quando é quando não sei,
não sei nem se sei se sei,
nem sei se sei se sei quando.
Sei quando sei: se não sei;
se não sei quando, sei quando.
 
 
 
Antoniel Campos


Escrito por AC às 17h43
[   ]




Que essa coisa que inútil se desloca
e tomada de inteiro se divide;
que é aqui, mas é noutra que se toca
e na réstia o reflexo coincide;
que é certeza no tanto que equivoca
e do equívoco mesmo se duvide;
que essa pedra que em ângulo se coloca
e na ponta a si mesmo dilapide,
seja a coisa que valha nada em troca
e em inaudita sentença se liquide,
letra morta que nada convalide
e a palavra que nada mais invoca,
seja a coisa parada que se choca
sem querer, sem desculpas, sem revide.
 
 
Antoniel Campos


Escrito por AC às 22h56
[   ]


[ ver mensagens anteriores ]


 
Meu perfil
BRASIL, Nordeste, NATAL, Homem, de 36 a 45 anos, Arte e cultura, - poesia poesia poesia -antonielcampos@uol.com.br
Histórico
  01/06/2008 a 30/06/2008
  01/08/2007 a 31/08/2007
  01/04/2007 a 30/04/2007
  01/03/2007 a 31/03/2007
  01/02/2007 a 28/02/2007
  01/01/2007 a 31/01/2007
  01/12/2006 a 31/12/2006
  01/11/2006 a 30/11/2006
  01/10/2006 a 31/10/2006
  01/08/2006 a 31/08/2006
  01/05/2006 a 31/05/2006
  01/04/2006 a 30/04/2006
  01/03/2006 a 31/03/2006
  01/07/2005 a 31/07/2005
  01/06/2005 a 30/06/2005
  01/05/2005 a 31/05/2005
  01/04/2005 a 30/04/2005
  01/03/2005 a 31/03/2005
  01/02/2005 a 28/02/2005
  01/01/2005 a 31/01/2005
  01/12/2004 a 31/12/2004
  01/11/2004 a 30/11/2004
  01/10/2004 a 31/10/2004
  01/09/2004 a 30/09/2004
  01/03/2004 a 31/03/2004


Outros sites
  a arte de beth almeida
  a tríade (nálu nogueira)
  abrindo janelas (saramar)
  agrestino (manoel carlos)
  alicerces (helena monteiro)
  almanua
  as cartas de elise
  as musas esqueléticas
  baby lónia (mjm)
  confissões de um viajante (ilídio soares)
  eugenia in the meadow (silvia chueire)
  faca de fogo (mario cezar)
  la vie en blues (felipe k.)
  linha de cabotagem (helena monteiro)
  lendo e sonhando (marcia)
  loba
  mar da poesia (jeanete ruaro)
  meu porto (míriam monteiro)
  mudança de ventos (márcia maia)
  nocturno com gatos (soledade santos)
  noites em claro (benno)
  poesia em movimento (weder soares)
  poesia sim (lau siqueira)
  ponto gê (geórgia)
  pretensos colóquios (dora vilela)
  proseando com mariza (mariza lourenço)
  rasuras (ana peluso e mario cezar)
  retalhos e pensamentos (ariane)
  sou o que sinto (Valéria)
  tábua de marés (márcia maia)
  textura (valéria tarelho)
  umbigo do sonho (adelaide amorim)
  voando pelo céu da boca (dira vieira)
  zênite (adriana zapparoli)
  zumbi escutando blues (linaldo guedes)



O que é isto?