Poros e Cendais


parte é como se deserto fosse
o deserto é como fosse parte
toda parte me fosse deserto
eu deserto todo como fosse
 
como fosse eu do deserto parte
fosse parte como eu deserto
o deserto como todo eu fosse
do deserto como fosse parte
 
como parte sou deserto — como?
se deserto todo sou deserto
e da parte do deserto fosse
 
toda parte sou como deserto
e deserto todo fosse como
parte é como se deserto fosse.
 
 
Antoniel Campos


Escrito por AC às 23h17
[   ]




E só porque de amor não mais falei,
talvez porque falar não me cabia,
que a fala não me fala o que eu sabia,
tampouco me diz mais do que eu já sei,
 
eu vou dizer do amor que silencia,
do que não concebi, mas só pensei,
do que julguei guardado, mas que eu dei
sem ter que ter sabido o dia-a-dia.
 
E assim, de um outro amar, talvez eu fale,
sem medo ao descritivo que me cale
num rol que me dirá: nisso eu errei.
 
Se amor não quer saber de certo e errado,
só vou falar de amor quando calado,
e só porque de amor não mais falei.
 
 
Antoniel Campos


Escrito por AC às 23h53
[   ]


[ ver mensagens anteriores ]


 
Meu perfil
BRASIL, Nordeste, NATAL, Homem, de 36 a 45 anos, Arte e cultura, - poesia poesia poesia -antonielcampos@uol.com.br
Histórico
  01/06/2008 a 30/06/2008
  01/08/2007 a 31/08/2007
  01/04/2007 a 30/04/2007
  01/03/2007 a 31/03/2007
  01/02/2007 a 28/02/2007
  01/01/2007 a 31/01/2007
  01/12/2006 a 31/12/2006
  01/11/2006 a 30/11/2006
  01/10/2006 a 31/10/2006
  01/08/2006 a 31/08/2006
  01/05/2006 a 31/05/2006
  01/04/2006 a 30/04/2006
  01/03/2006 a 31/03/2006
  01/07/2005 a 31/07/2005
  01/06/2005 a 30/06/2005
  01/05/2005 a 31/05/2005
  01/04/2005 a 30/04/2005
  01/03/2005 a 31/03/2005
  01/02/2005 a 28/02/2005
  01/01/2005 a 31/01/2005
  01/12/2004 a 31/12/2004
  01/11/2004 a 30/11/2004
  01/10/2004 a 31/10/2004
  01/09/2004 a 30/09/2004
  01/03/2004 a 31/03/2004


Outros sites
  a arte de beth almeida
  a tríade (nálu nogueira)
  abrindo janelas (saramar)
  agrestino (manoel carlos)
  alicerces (helena monteiro)
  almanua
  as cartas de elise
  as musas esqueléticas
  baby lónia (mjm)
  confissões de um viajante (ilídio soares)
  eugenia in the meadow (silvia chueire)
  faca de fogo (mario cezar)
  la vie en blues (felipe k.)
  linha de cabotagem (helena monteiro)
  lendo e sonhando (marcia)
  loba
  mar da poesia (jeanete ruaro)
  meu porto (míriam monteiro)
  mudança de ventos (márcia maia)
  nocturno com gatos (soledade santos)
  noites em claro (benno)
  poesia em movimento (weder soares)
  poesia sim (lau siqueira)
  ponto gê (geórgia)
  pretensos colóquios (dora vilela)
  proseando com mariza (mariza lourenço)
  rasuras (ana peluso e mario cezar)
  retalhos e pensamentos (ariane)
  sou o que sinto (Valéria)
  tábua de marés (márcia maia)
  textura (valéria tarelho)
  umbigo do sonho (adelaide amorim)
  voando pelo céu da boca (dira vieira)
  zênite (adriana zapparoli)
  zumbi escutando blues (linaldo guedes)



O que é isto?