Poros e Cendais


A ESCADA

 

 

 

À minha frente mil degraus de uma escada.

Faço-me passo e cada passo me retém.

Em marcha fúnebre o compasso da passada.

Eu cabisbaixo a escada e mais ninguém.

Um corrimão quer me guiar na caminhada,

sem que me diga aonde vai, de onde vem.

A minha mão soergo a custo e pego o nada.

E como sempre a mão no nada me sustém.

"Urge seguir" sugere longe voz calada.

E um novo passo o corpo lasso leva além.

A meio-termo mais distante é-me a chegada:

passo no tempo, mas do instante sou refém.

   E toda escada é sempre assim: rosa e espinho.

   Fere e perfuma, enquanto diz qual o caminho.

 

 

Antoniel Campos



Escrito por AC às 06h24
[   ]




 
É  de antes, de sempre e é de agora.
É rebento da busca e do encontrado.
É presente presente e em mim guardado.
É meu lado de dentro e o de fora.
Pigmento que o tempo não descora,
é o instante de todos os instantes.
É o dia dos meus dias restantes,
é a causa e o efeito em que sou feito,
é o que pulsa no esquerdo do meu peito,
é de agora, é de sempre e é de antes.
 
 
 
Antoniel Campos


Escrito por AC às 21h57
[   ]




Entre a verdade e o que sou,
entre o que falo e o que penso,
nem  a mim mesmo convenço,
nem essa chance me dou.
Fico no instante em que vou,
uno de duplicidade,
sou minha cara-metade
quando, gritando, me calo
entre o que penso e o que falo,
entre o que sou e a verdade.
 
 
 
Antoniel Campos


Escrito por AC às 05h58
[   ]




CPI
 
 
Eu vou colher o teu depoimento,
traçar o rumo da investigação.
À tua fala ficarei atento
a ver se apanho-te em contradição.

Se não convences, por requerimento,
te chamarei para acareação.
E com ou sem o teu consentimento
quebro o sigilo do teu coração.

Eu titular e nunca o teu suplente,
teu relator e o teu presidente,
bato o martelo nessa comissão.

Eu tranco a pauta, fecho o expediente
e dispensando cada depoente,
beijo tua boca em absolvição.


Antoniel Campos


Escrito por AC às 15h49
[   ]




ENCRUZILHADA

 

 

Por mais que se anuncie breve a tardança,

e o instante não me diga da presença,

a ânsia me perfure feito lança,

que é curta toda ausência não convença,

maior é o que me vem da tua alcança,

tal como fosse em mim desde nascença,

uma força — sombra e rastro — de possança

talvez maior que em mim a própria crença,

que eu chego a me dizer: "mas o que é isso,

que é tônus, vida e alma, calma e viço?"

e só consigo ter de ti somente?

confesso, fico até desconfiado...

: não há te amar assim sem ver pecado,

não há querer-te assim impunemente.

 

 

Antoniel Campos



Escrito por AC às 08h13
[   ]


[ ver mensagens anteriores ]


 
Meu perfil
BRASIL, Nordeste, NATAL, Homem, de 36 a 45 anos, Arte e cultura, - poesia poesia poesia -antonielcampos@uol.com.br
Histórico
  01/06/2008 a 30/06/2008
  01/08/2007 a 31/08/2007
  01/04/2007 a 30/04/2007
  01/03/2007 a 31/03/2007
  01/02/2007 a 28/02/2007
  01/01/2007 a 31/01/2007
  01/12/2006 a 31/12/2006
  01/11/2006 a 30/11/2006
  01/10/2006 a 31/10/2006
  01/08/2006 a 31/08/2006
  01/05/2006 a 31/05/2006
  01/04/2006 a 30/04/2006
  01/03/2006 a 31/03/2006
  01/07/2005 a 31/07/2005
  01/06/2005 a 30/06/2005
  01/05/2005 a 31/05/2005
  01/04/2005 a 30/04/2005
  01/03/2005 a 31/03/2005
  01/02/2005 a 28/02/2005
  01/01/2005 a 31/01/2005
  01/12/2004 a 31/12/2004
  01/11/2004 a 30/11/2004
  01/10/2004 a 31/10/2004
  01/09/2004 a 30/09/2004
  01/03/2004 a 31/03/2004


Outros sites
  a arte de beth almeida
  a tríade (nálu nogueira)
  abrindo janelas (saramar)
  agrestino (manoel carlos)
  alicerces (helena monteiro)
  almanua
  as cartas de elise
  as musas esqueléticas
  baby lónia (mjm)
  confissões de um viajante (ilídio soares)
  eugenia in the meadow (silvia chueire)
  faca de fogo (mario cezar)
  la vie en blues (felipe k.)
  linha de cabotagem (helena monteiro)
  lendo e sonhando (marcia)
  loba
  mar da poesia (jeanete ruaro)
  meu porto (míriam monteiro)
  mudança de ventos (márcia maia)
  nocturno com gatos (soledade santos)
  noites em claro (benno)
  poesia em movimento (weder soares)
  poesia sim (lau siqueira)
  ponto gê (geórgia)
  pretensos colóquios (dora vilela)
  proseando com mariza (mariza lourenço)
  rasuras (ana peluso e mario cezar)
  retalhos e pensamentos (ariane)
  sou o que sinto (Valéria)
  tábua de marés (márcia maia)
  textura (valéria tarelho)
  umbigo do sonho (adelaide amorim)
  voando pelo céu da boca (dira vieira)
  zênite (adriana zapparoli)
  zumbi escutando blues (linaldo guedes)



O que é isto?