Poros e Cendais


 
ESSES
 
 
Esse estigma, esse ranço, esse receio. essa cólera de ironia travestida. essa patrulha, essa partilha, esse guia, essa vontade dos caminhos da poesia. esse achismo, esse ismo, esse outro ismo, esse atavismo em vã guardismo: esse fascismo. esse apartheid, esse dedo indicador, essa receita, essa doença, esse doutor. essa palavra, essa não, essa palavra. esse escaninho, esse jeitinho bonitinho. essa postura, esse salto, essa impostura, essa rede de sim-sim, essa costura. essa estratégia, essa falácia, esse tribuno, esse quartel, essa polícia, esse coturno. essa salada, essa sopa, essa lavagem, essa ordem de beber goela abaixo. esse arauto apocalíptico e demiurgo, esse moicano derradeiro desse burgo. esse poema de outdoor e passarela. essa tramela, esse embuste, essa panela.
 
 
 
Antoniel Campos


Escrito por AC às 21h11
[   ]




DOR-DE-COTOVELO
     

              

             (ouvindo "Nervos de Aço")


Foi mesmo por estar tão magoado
ainda que refém do teu fascínio,
que ouvi por toda a noite Lupicínio,
falando ao meu peito machucado.

Sozinho... sem um amigo que me escute.
Apenas o silêncio da tristeza.
Dois dedos batucando sobre a mesa
e o gelo tilintando no vermute.

Calado o peito grita de dor tanta
e enquanto de ingrata eu te chamo,
ao mesmo tempo digo que te amo,
na voz que, rouca, trava na garganta.

O imenso desespero alonga a noite,
procuro evitar qualquer lembrança,
mas sinto a tua mão que me alcança
e o afago do passado hoje é açoite.

Soluço... não tem jeito... e desatino.
Vontade de abraçar-te neste instante,
viver de novo o beijo — tão distante...
contigo escrever um só destino.

Pedir perdão por tudo o que eu fiz,
e até do que não fiz pedir também.
Ouvir da tua boca "és meu bem!"
e ser pra sempre o homem mais feliz.
(...)
Preciso me deitar, já amanhece.
Sonhar tendo o teu corpo por regaço,
pois sei que até dormindo, se te abraço,
teu corpo, mesmo em sonho, me aquece.

Antoniel Campos



Escrito por AC às 10h24
[   ]




CONTRA
 
 
Contra a ordem, o rito, o senso,
o correto e o seu primado;
contra quando me convenço
que é errado o errado.

Contra tudo que é consenso
— sim, por favor, obrigado.
Contra quando contra penso
ao que foi contra pensado.

E por ser do contra feito,
tenho parte do meu peito
da outra desencontrada.
 
Mas se sou contra, contudo,
uma parte é contra tudo;
a outra, a favor de nada.
 
 
Antoniel Campos

~~~

Um presente que ganhei da amiga Silvana Guimarães, editora da revista eletrônica Germina Literatura. Sil, querida, muito obrigado!

Confiram:

http://www.germinaliteratura.com.br/erot_junac.htm

 

 




Escrito por AC às 09h45
[   ]




MAS VENS

 

como se todo o tempo já tivesse transcorrido
— porque tudo passa, se tocamos,
vens com o teu bafio, o teu hálito, tua aura e teu roçar,
nessa tua onipresença, ora dentro, ora fora, tanto e toda em mim.

 
(a medida do tempo é bem mais clara na ausência.)
 
à margem de ti, me vejo rude. tosco. incompleto.
êxul de mim, naquilo em que mais me vejo.
e tão poucas são as coisas em que me percebo.
 
mas vens.
como a dizer de um capricho urdido adredemente,
um experimento, uma cilada,
aferindo-me com o teu esperômetro,
a medir meu quantum de permanência.
 
(tola... como se coubesse a mim traçar novos rumos, trair-te, abandonar-te.)
 
adentrar nos teus domínios — a mesma sensação sempre renovada,
é como se chegar em país estrangeiro e lá encontrar pedaço de seu.
tudo compreender, nas múltiplas linguagens que me trazes à mesa.
 
mágico momento, singular instante o desse encontro,
em ti, eterna estrangeira e eterna cúmplice, conheço-te cada rua,
                                        [cada rincão, qualquer espaço, à vista
primeira, como se antigos fossem os nossos abraços.
 
(e tão antigos são os nossos abraços.)
 
de verdade, não sei se sou eu que te esqueço, ou se és tu que me abandonas.
                                                                   [mas sei que todo esquecimento
e abandono são efêmeros.
sei também que deve ser assim
porque, às vezes, me sufocas, não dás trégua, e eu, bem o sei, por vezes faço igual.
 
(o que seria dos encontros sem a saudade?)
 
mas vens.
e sabes como chegar.
em vão disfarças, porque é do teu querer que todo disfarce seja em vão.
pões uma venda na face, à guisa de ocultar-se.
e ris.
e ris porque sabes que a mesma venda te serve por bandana, inútil cendal,
                                                             [máscara fugaz em que estampas:
sou eu.
na linearidade em que te mostras, percebo-te em ondas.
nas ondulações, o teu linheiro percurso.
e caminho no teu seguro caminho.
 
e os antigos abraços se renovam.
 
e vens.
 
e ficas.
 
 
Antoniel Campos


Escrito por AC às 16h37
[   ]




DERRAME

 

Àquela
e não a qualquer da hora
- e agora eu vou dizer a ela.

àquela,
que o meio-de-campo é breve
- não ela.

àquela,
mas num dizer sem dizer.
só a ela.

àquela,
que o resto é longe,
ela é perto.

não a qualquer de agora,
àquela.

Antoniel Campos



Escrito por AC às 05h46
[   ]


[ ver mensagens anteriores ]


 
Meu perfil
BRASIL, Nordeste, NATAL, Homem, de 36 a 45 anos, Arte e cultura, - poesia poesia poesia -antonielcampos@uol.com.br
Histórico
  01/06/2008 a 30/06/2008
  01/08/2007 a 31/08/2007
  01/04/2007 a 30/04/2007
  01/03/2007 a 31/03/2007
  01/02/2007 a 28/02/2007
  01/01/2007 a 31/01/2007
  01/12/2006 a 31/12/2006
  01/11/2006 a 30/11/2006
  01/10/2006 a 31/10/2006
  01/08/2006 a 31/08/2006
  01/05/2006 a 31/05/2006
  01/04/2006 a 30/04/2006
  01/03/2006 a 31/03/2006
  01/07/2005 a 31/07/2005
  01/06/2005 a 30/06/2005
  01/05/2005 a 31/05/2005
  01/04/2005 a 30/04/2005
  01/03/2005 a 31/03/2005
  01/02/2005 a 28/02/2005
  01/01/2005 a 31/01/2005
  01/12/2004 a 31/12/2004
  01/11/2004 a 30/11/2004
  01/10/2004 a 31/10/2004
  01/09/2004 a 30/09/2004
  01/03/2004 a 31/03/2004


Outros sites
  a arte de beth almeida
  a tríade (nálu nogueira)
  abrindo janelas (saramar)
  agrestino (manoel carlos)
  alicerces (helena monteiro)
  almanua
  as cartas de elise
  as musas esqueléticas
  baby lónia (mjm)
  confissões de um viajante (ilídio soares)
  eugenia in the meadow (silvia chueire)
  faca de fogo (mario cezar)
  la vie en blues (felipe k.)
  linha de cabotagem (helena monteiro)
  lendo e sonhando (marcia)
  loba
  mar da poesia (jeanete ruaro)
  meu porto (míriam monteiro)
  mudança de ventos (márcia maia)
  nocturno com gatos (soledade santos)
  noites em claro (benno)
  poesia em movimento (weder soares)
  poesia sim (lau siqueira)
  ponto gê (geórgia)
  pretensos colóquios (dora vilela)
  proseando com mariza (mariza lourenço)
  rasuras (ana peluso e mario cezar)
  retalhos e pensamentos (ariane)
  sou o que sinto (Valéria)
  tábua de marés (márcia maia)
  textura (valéria tarelho)
  umbigo do sonho (adelaide amorim)
  voando pelo céu da boca (dira vieira)
  zênite (adriana zapparoli)
  zumbi escutando blues (linaldo guedes)



O que é isto?